Espetáculos teatrais e chorinho divertem aracajuanos em noite de junção de projetos culturais

A parceria que deu certo se repetiu na noite desta quinta-feira, 30. Os projetos Festival de Artes Cênicas e Quinta Instrumental se uniram, novamente, para dar início a mais uma semana de programação no Centro Cultural, localizado na Praça General Valadão, no Centro de Aracaju. Nesta noite, foram dois espetáculos teatrais, uma atração musical e uma sessão especial de cinema.

Os projetos fazem parte do planejamento da Prefeitura de Aracaju, por intermédio da Fundação Cultural Cidade de Aracaju (Funcaju), para entregar os trabalhos artísticos contemplados pelos editais financiados pela Lei Aldir Blanc. As ações também garantem a retomada das atividades culturais na capital, respeitando os protocolos sanitários de enfrentamento à crise sanitária da covid-19.

O primeiro encontro da noite foi com o artista Ivo Adnil, responsável pelo espetáculo de Canoa e de Rede. A apresentação ocorreu no palco montado na praça General Valadão. O espetáculo, que já rodou o Brasil, em diversas turnês, literalmente envolve a plateia sob as costuras da rede lançada pelo artista, passando fileira por fileira.

Por volta das 19h, o teatro João Costa se transformou numa sala de aula da história sergipana, através do espetáculo Mar Vermelho, de Anderson Dias. Com uma narrativa cordelista, o espetáculo narra os detalhes do ataque submarino aos navios sergipanos, na Segunda Guerra Mundial, que gerou o nome da ‘Rodovia dos Náufragos’.

A apresentação encantou o casal Gustavo Coelho e Sabrina Silvana. “Hoje eu estou matando aula para estar aqui. Vim sem saber qual o tema das apresentações, e fiquei impressionado com as descobertas que fiz, como o nome da avenida do Náufragos. De fato, um espetáculo que eu não esperava. Curti muito”, afirma Gustavo.

Silvana disse que já tinha contemplado o Festival e pretende continuar frequentando a programação no Centro Cultural. “É o segundo dia que venho. Na semana passada, eu já havia me encantado. Hoje, eu vim e trouxe Gustavo para conhecer, e já vi que ele adorou. Então, está sendo ótimo. Esse espetáculo do cordel traz uma parte da história de Sergipe que eu não conhecia”, destaca.

Ao término do espetáculo no teatro João Costa, foi a vez da música tomar conta da noite. No palco da Praça General Valadão, o grupo ‘Os Tabaréus’, com um chorinho recheado de autenticidade, fez pulsar mais uma edição do Quinta Instrumental. Reunindo instrumentos como bateria, baixo, violão, cavaquinho, ukelele, saxofone e trombone, os músicos apresentaram a essência do projeto que tem encantado os aracajuanos desde o seu nascimento.

Um dos entusiasmados com a apresentação musical foi Carlos Augusto. “O projeto é um espaço bacana, onde os artistas locais podem mostrar o seu trabalho. A gente da terra deve prestigiar os artistas e esse espaço aqui no centro da cidade. Essa é mais uma semana que venho, porque tenho adorado o Quinta Instrumental”, elogia.

A noite ainda coube uma sessão especial de cinema, na Sala de Exibição Walmir Almeida, no Centro Cultural. O filme ‘A Filosofia na Alcova’, dos diretores Ivam Cabral e Rodolfo García Vázquez, finalizou mais uma noite de imersão artística na principal unidade cultural da cidade.

Maratona Cultural
A programação segue nesta sexta-feira, 1º, a partir das 18h, na praça General Valadão, com as apresentações dos espetáculos teatrais ‘A Chegada de Lampião no Inferno’, do Grupo Raízes, ‘Sankofa’, do Coletivo HECTA, e encerra com o show de Igor Rodsi. Toda programação e cobertura você pode acompanhar no site www.maratonaculturalaju.com.br.